A história antiga de Portugal

Portugal tem 800 anos de História enquanto entidade política, mas a ocupação humana nesta zona da Península Ibérica é muitíssimo anterior a D. Afonso Henriques. Vejamos quais os pontos principais dessa imensa jornada.

Paleolítico

Entre os vestígios arqueológicos do Paleolítico em Portugal, destacam-se o as gravuras rupestres de Foz Coa (datadas de há mais de 20.000 anos, das mais antigas do mundo) e o menino do Lapedo, o esqueleto de uma criança com direito a ritual fúnebre, há cerca de 24.500 anos. O “menino do Lapedo” aparenta resultar do cruzamento entre o homo sapiens e o homem de Neandertal, podendo constituir-se como pista para o desaparecimento desta sub-espécie humana.

Neolítico

A grande revolução agrícola começou no Médio Oriente, mas os contatos entre os povos, ainda que limitados, acabaram por trazer a novidade à Península Ibérica a partir do ano 7000 a.C.. Portugal foi um pólo importante da nova cultura dos megalitos (do grego, mega = grande, lithos = pedra), que ergueu os primeiro monumentos funerários e já possuía formas complexas de organização social. Por volta de 2500 a.C, registam-se as primeiras comunidades urbanas, principalmente no sul da Península.

Celtas, fenícios, gregos

celtsDá-se o nome de Iberos aos povos considerados autóctones da Península, embora não se saiba se são os ocupantes originais da Europa Ocidental no início do Neolítico ou se trataria de alguma migração durante esse período. Em todo o caso, todos os povos que chegam à Península encontram cá os Iberos:

  • os Celtas, que se tornam a grande influência cultura da Europa Ocidental cerca de 400 a.C;
  • os Fenícios e os Gregos, que navegam ao longo do Mediterrâneo estabelecendo pequenas colónias, fazendo comércio e trazendo fortes influências culturais

Roma

A historiografia tradicional de Portugal aponta a tribo dos lusitanos como símbolo de resistência política à dominação romana. Alguns vestígios arqueológicos corroboram a tese de que se trataria de um povo de características nómadas, e por esse mesmo motivo mais capaz de resistir e insubmisso aos invasores. De qualquer forma, por volta do século I d.C., toda o território português já se encontrava sob domínio de Roma.